ERICK ENTREVISTA O BOM VELHINHO

Amigos, não é todo dia que encontramos pessoalmente uma pessoa que admiramos . Nesta semana tive a incrível sorte de entrevistar um dos meus maiores ídolos da música: Hermeto Pascoal.

O trabalho em uma produtora de vídeo permite estes felizes encontros.

(Ops… você não me conhece e caiu nesta página? Ok, tudo bem. Aproveite e conheça um dos melhores blogs sobre  produção de vídeo empresarial do Brasil. Aproveite e conheça a Cinemátika também).

Hermeto Pascoal é músico autodidata, nascido em 1936 em Lagoa da Canoa, no estado de Alagoas. O cara tocou com músicos muito casca grossa, e fez bonito. Mandou ver com Miles Davis, Quincy Jones e Herbie Hancock. O Hermeto e o Saramago são as melhores entrevistas do documentário Janela da Alma do Walter Carvalho (se bem que a entrevista com o Win Wenders é quase igualmente fantástica...).

A PRIMEIRA IMPRESSÃO NEM SEMPRE FICA

Sempre que eu encontro pessoalmente, em carne e osso, uma pessoa que antes só via pela televisão, me dá a impressão que a pessoa é feita de massinha.

Antes acostumado a sentar no sofá e assistir, você tem que conversar e interagir.

Pois é, levei um certo tempo para me acostumar. Foram cerca de 2 segundos, até o Hermeto me oferecer um pouco de vinho.

MONÓLOGOS DO PAPAI NOEL

Em mais de 70 anos de vida o cara tem muita história para falar. E ele fala para caramba. E o melhor de tudo: é muito divertido escutar suas histórias.

Logo que eu vi que ele não era de massinha, perguntei, acanhadamente, sobre os anos nos EUA tocando com as casca grossa do jazz. Aí o bom velhinho desandou a falar. Escutei uma história dele mais Herbie, num jantar na casa do Negão, que o cara pediu desculpas ao Hermeto por ter copiado um tema na qual ele tocava com garrafas. E já emendou em uma história do Quincy Jones.

Logo depois, Carlos, o produtor executivo, já chamou para a entrevista. Foi apenas uma única pergunta e 10 minutos de resposta. Sensacional.

NÓS VIEMOS AQUI PARA BEBER OU PARA TRABALHAR?

Tínhamos que trabalhar. O melhor de tudo é que eu estava sendo pago para fazer algo que estava me dando um prazer imenso. A nossa produção era simples, 03 pessoas e entrevistas. Ainda bem. Deu para produzir tudo conforme o cliente exigiu e ainda assistir boa parte do show.

Só não entrevistei a Aline Morena, gaúcha tricolor, esposa do Bom Velhinho e musicista da banda. Meu operador de câmera, Cleber Zerbielli, parceiro fiel de trabalho, é gaúcho colorado. Talvez tenha sido melhor assim.

Abaixo você confere um pouco de nosso trabalho: do Hermeto Pascoal e Grupo e da Cinemátika Filmes.

_______________________________________________________________________

Compartilhe este artigo no Facebook

Produtora de Vídeo | Cinemátika – (11) 4226.4797

O QUE VOCÊ DESEJA?

Vamos conversar sobre vídeos para empresas?

Quer conhecer alguns trabalhos que trouxeram um bom retorno?

Quanto custa um vídeo empresarial?